#ElaÉSocial: Alessandra Garattoni

PG454592-D6E07D66-F329-45A5-BD1A-41BE70E2AC87.jpg

Conheça um pouco mais da carioca de São Paulo, mãe da MH e serial blogger Ale Garattoni, dona dos perfis @amobranding e @blog5sentidos.

1.       Quais seus 3 perfis favoritos no Instagram e por quê?

Eu sou muito (e cada vez mais!) inconstante em relação a perfis favoritos. Cada semana isso parece mudar. Eu amo descobrir gente nova e vira e mexe dou uma editada na minha lista de seguidos. Mas eu adoro seguir gente pra cima, feliz, que não arranja “um problema pra cada solução”. Também gosto de quem compartilha de maneira genuína e se conecta com seguidores. Adoro @marthagraeff, @daniellasarahyba, @yogalifestylebr, @vestidademae... Essas são algumas que assisto quase sempre! Opto por não seguir pessoas ligadas direta ou indiretamente a minha área profissional, então minhas escolhas nesse sentido são mais relacionadas a hobby mesmo.

2.       Como você começou seu primeiro blog e o que a motivou a começar?

Paixão por escrever e compartilhar! E lá se vão quase 15 anos! Nunca, em nenhum dos blogs que tive, houve alguma pretensão.


3.       Como você construiu sua comunidade atual nas mídias sociais?

Da maneira mais orgânica, espontânea a intuitiva do mundo. Não ligo pra números nem tenho este tipo de meta.


4.       O que você espera para seu negócio atual?

Muita gente produz posts na internet para, com esse marketing de conteúdo, vender seus produtos e serviços. Eu vendo meus serviços (cursos e palestras corporativas) para poder produzir conteúdo gratuito nas redes sociais, minha verdadeira paixão, o que alimenta minha alma.


5.       Qual sua forma favorita de engajar sua audiência?

Não me preocupo com isso e jamais pauto o que vou publicar pensando em engajamento. Não estou dizendo que esse é o certo (acredito sim no poder de boas estratégias), mas ainda tenho minhas redes muito mais como prazer/hobby do que qualquer outra coisa. No geral, publico aquilo que eu gostaria de ler!


6.       Conforme sua comunidade cresceu, veio alguma dificuldade com esse crescimento? Se sim, qual/quais?

Lá atrás, no início do boom dos blogs, quando eu tinha o ItGirls, achei difícil lidar com a exposição que a internet trazia. Hoje, até por ter amadurecido mais, encontrei o meu ponto de equilíbrio - eu sou mais reservada, caseira e está tudo certo, não acredito que tenho que abrir mão da minha personalidade para conseguir meus objetivos nem muito menos que devo seguir uma fórmula para isso!

7.       Há 5 anos você esperava estar fazendo o que faz hoje? E como as mídias sociais contribuíram para seu negócio atual crescer?

Sei que devo quase tudo que consigo profissionalmente à internet! E isso desde quando eu ainda trabalhava em revistas. Blogs e redes sociais são meus hobbies que me ajudam a exibir minha marca (pessoal) para o mundo.


8.       Quais são os apps que não podem faltar no seu celular?

Notes e Reminders, estes basiquinhos que já vêm no iPhone. Minha vida está nessa nuvem! Também adoro o Insight Timer (meditação) e não viveria sem música (uso Apple Music e Spotify, porque não consigo me decidir só por um!)

#ElaéSocial: Laís Schulz

unnamed (1).jpg

Conheça um pouco mais da fotógrafa Laís Schulz, a criadora de conteúdo que compartilha suas fotos lindíssimas no perfil @lais_schulz.

1.       Quais seus 3 perfis favoritos no Instagram e por quê?

@saramelotti_ – é uma fotógrafa super inspiradora por trás das lentes. Além de produzir fotos lindas no seu IG pessoal ela tem um projeto lindo que busca redefinir a visão que temos sobre beleza, chamado Quest for Beauty.

@hbgoodie – ela tem fotos de viagens e praia que fogem de todas aquelas fotos que já estamos acostumados a ver. Eu meio que posso sentir a alegria através das fotos dela e eu adoro esse sentimento. 

@cesinha – é um fotógrafo brasileiro com um trabalho incrível. Me surpreendo com o quanto ele é criativo e com todas as coisas que ele faz. E acho ainda mais incrível o fato de a maioria das fotos dele no feed serem de celular – o que mostra que é possível, sim, fazer fotos lindas sem ter a melhor câmera.


2.       Como você começou seu perfil e o que a motivou a começar?

Eu comecei meu perfil de forma informal e pessoal. Há cerca de um ano e meio decidi torna-lo algo mais “profissional”. O objetivo era compartilhar dicas de fotografia e viagem. Eu queria ajudar as pessoas de alguma forma, dar dicas de como fotografar melhor, como começar na fotografia, etc. Mas, ao mesmo tempo tinha muita vergonha de me expor e escrever minha opinião, então no início acabava só compartilhando fotos que tirava nos finais de semana – tentando manter um feed bonitinho. Então, depois que comecei a viajar me senti mais confiante e mais feliz com o rumo que meu IG estava tomando. Foi aí que comecei também a produzir conteúdo para meu blog com mais frequência e também para o befreela – nosso site sobre nomadismo digital.


3.       Como você construiu sua comunidade atual nas mídias sociais?

Ela começou com os conhecidos e amigos, como toda comunidade nas mídias sociais. Mas, aos poucos, principalmente depois de começar a viajar, minha comunidade foi crescendo. Além disso, eu estudei bastante cada uma das redes da qual faço parte, entendendo o que cada público gosta de consumir e adaptando o conteúdo que crio à cada plataforma. Hoje, minha comunidade é resultado de muito trabalho em várias redes – blog pessoal, befreela, LinkedIn, Pinterest e o Instagram.


4.       O que você espera para seu negócio atual?

Eu espero que, a cada dia, eu possa crescer mais e que minhas mensagens cheguem a cada vez mais pessoas. Que possa ajudar mais gente a se desenvolver de alguma forma e a buscar seus sonhos. Um dos próximos passos – que já está acontecendo – é a criação de um curso. Mas, por enquanto, além disso, tenho buscado não criar muitas expectativas e ir trabalhando no que gosto de fazer. Desta forma, aos poucos os caminhos vão se abrindo e a gente vai encontrando as respostas para tudo.


5.       Qual sua forma favorita de engajar sua audiência?

Eu adoro usar o Instagram para isso, fazer perguntas nos Stories e ler o que as pessoas que me seguem estão pensando. Gosto também de manter uma conversa com todo mundo que comenta nas minhas fotos. Eu acho tão gostoso ter essa interação e entender um pouco do que está acontecendo do outro lado. Às vezes me surpreendo com as histórias que as pessoas contam ou com a forma que elas são tocadas pelas minhas mensagens. Eu gosto tanto quando alguém me deixa uma mensagem se abrindo, sabe?! Algumas pessoas me contam as dificuldades pelas quais estão passando, ou que viraram freelancers, ou que estão indo morar em outro país. É um sinal de que você vai além de ser apenas mais uma conta no Instagram, e isso, para mim, não tem preço.


6.       Conforme sua comunidade cresceu, veio alguma dificuldade com esse crescimento? Se sim, qual/quais?

Até hoje não passei por nenhum momento de dificuldade com relação ao crescimento.


7.       Há 5 anos você esperava estar fazendo o que faz hoje? E como as mídias sociais contribuíram para seu negócio atual crescer?

Há 5 anos eu achava que ainda iria estar infeliz no meu antigo emprego... haha Eu jamais imaginei que teria mais de 23 mil pessoas me seguindo no Instagram, nem que meu blog teria 90 mil acessos por mês. Jamais pensei que esse tanto de pessoas estaria interessada no que eu tenho a dizer, nas dicas que compartilho ou no meu trabalho. Eu, inclusive, não comecei mais cedo porque pensava “Quem é que vai querer ler o que eu escrevo”? ou “Minhas fotos não são boas o suficiente”. E sobre como elas contribuíram para meu negócio atual: eu acabei pegando uma fase muito ruim do Instagram – essa mudança de algoritmo logo depois que havia começado a postar “de verdade” –, então, tive que me virar do jeito que dava. Comecei a buscar alternativas, a usar o LinkedIn e o Pinterest, e eles sim me ajudaram demais. Hoje, são eles que ajudam meu Instagram a ter mais visibilidade e a ser encontrada por marcas e parceiros.

8.       Quais são os apps que não podem faltar no seu celular?

Instagram (óbvio), VSCO (para editar as fotos para os stories) e Unfold (para criar Stories bonitinhos e clean).

#ElaéSocial: Jessica Blanco da Meg & Meg

IMG_7298 (1).jpg

Conheça um pouco mais da designer Jessica Blanco, a girl boss que está por trás da papelaria fofa Meg & Meg.

1) Quais seus 3 perfis favoritos no Instagram e por quê?
@shopbando - gosto da forma como elas transmitem a ideia da marca e ainda assim são próximas dos clientes

@ohjoy - um blog que explora cores, design e criativade. amo!

@historiasdecasa - melhor instagram para ficar sonhando com uma casinha linda e fofa


2) Como você começou a Meg e Meg e o que a motivou a começar?

A Meg & Meg surgiu da minha vontade de criar uma loja que vendesse coisas fofas e úteis para a rotina das pessoas. Sempre amei papelaria e decidi criar minhas próprias coleções de produtos ao invés de apenas revender itens que já existiam. Comecei criando 6 itens para o lançamento do site. As primeiras vendas foram todas para amigos, famíliares e ex-colegas de trabalho. Aos poucos o Instagram foi sendo descoberto por novas pessoas e as primeiras vendas de desconhecidos vieram.

Minha maior motivação foi essa vontade de fazer uma loja de coisas fofas. Não sei explicar direito de onde surgiu, mas eu sentia que eu deveria fazer isso acontecer.

3. Como você construiu sua comunidade atual nas mídias sociais?
Sempre tratei as mídias sociais com muita seriedade. Entendo que o posicionamento como marca não pode ser super casual, mas também não muito sério. Eu procurei fazer fotos inspiradoras para que as clientes quisessem se inspirar na marca. Além disso, fiz parcerias com algumas influenciadoras do nicho para que novas pessoas descobrissem os produtos. E aos poucos as próprias clientes acabaram divulgando os produtos e fortalecendo a comunidade.

4. O que você espera para a Meg e Meg?
Espero que ela possa ser sempre uma empresa que traz alegria e praticidade na vida das clientes. E também que essa comunidade que existe hoje se mantenha e fortaleça ao longo dos anos

5.  Qual sua forma favorita de engajar sua audiência?

Adoro falar sobre bastidores da marca e mostrar um pouco do que acontece durante o trabalho. O Instagram é ótimo para isso, especialmente os Stories!

6. Conforme sua comunidade cresceu, veio alguma dificuldade com esse crescimento? Se sim, qual/quais?
Acho que as dificuldades do crescimento são administrativas: quanto mais gente enviando pergunta no direct, maior o tempo que você precisa para responder e dar um atendimento de qualidade. Além disso, com um volume maior de vendas também aumenta o tempo de preparar os pacotes e suporte ao cliente. Então foi preciso otimizar processos em quase todas as etapas sem prejudicar a qualidade. Com bastante organização - e uma nova integrante no time - isso foi possível!

7. Há 5 anos você esperava estar fazendo o que faz hoje? E como as mídias sociais contribuíram para seu negócio crescer?

Eu sonhava com isso sim, mas não achei que iria se torna realidade tão rápido! 

As mídias sociais foram essenciais para que minha empresa pudesse crescer com um investimento em publicidade bem pequeno. Eu li muito sobre como explorar o melhor de cada rede social e isso foi trazendo bastante interesse de forma orgânica e natural. Isso é o mais legal dos tempos atuais: você realmente consegue fundar uma empresa e começar com passos pequenos.

8. Quais são os apps que não podem faltar no seu celular?

Instagram (hehe)  UNUM e Spotify

#ElaéSocial: Manuela Lopes - Blog Simplichique

3C550FB4-874C-4A76-AF1F-97EC31AE4FB8.JPG

Conheça um pouco mais da Manuela Lopes, a arquiteta que está por trás do blog Simplichique.

1.       Quais seus 3 perfis favoritos no Instagram e por quê? 

@abeautifulmess, @hipaholic e @embrajulie. São 3 perfis que possuem feeds bem coloridos e organizados, que me inspiram não apenas a trabalhar no meu próprio perfil, mas também a estimular minha criatividade.

2.       Como você começou o blog/perfil e o que a motivou a começar? 

Criei o blog no final de 2014 para tentar desmistificar o papel elitista do arquiteto, mostrando que é possível decorar sem ter que gastar uma fortuna. Deu tão certo que passei a trabalhar com ele, o que me levou a usar as redes sociais para divulgar esse trabalho. Hoje, meu Instagram é a ferramenta que me permite maior interação com meu público.

3.       Como você construiu sua comunidade atual nas mídias sociais? 

À medida em que eu ia publicando nas redes e divulgando meu trabalho aos poucos, mais e mais pessoas que se identificavam com o que eu postava começaram não apenas a me seguir, mas a interagir comigo e me abordar para tirar dúvidas. Foi tudo orgânico, mas sempre feito de maneira bem leiga. Passei a investir, então, em cursos sobre o assunto - incluindo o workshop sobre mídias sociais da PR Digital -  que me nortearam bastante e me ajudam, até hoje, a trazer excelentes resultados de crescimento da minha audiência.

4.       O que você espera para o Simplichique? 

Que ele se torne uma marca, meu legado. Que as pessoas o associem a decoração prática e descomplicada, afinal, o simples pode ser chique!

5.       Qual sua forma favorita de engajar sua audiência? 

Procuro sempre responder a todos os comentários que recebo, sempre de maneira individual e personalizada; eu não enxergo os perfis nas redes como meros arrobas, mas como pessoas. Então, gosto de dar atenção a todo mundo como se estivesse falando com elas pessoalmente. Sempre que posso, faço lives no Instagram e toda semana, faço transmissões ao vivo no meu canal no YouTube. Isso tem me gerado bastante engajamento nessas redes, e é sempre uma delícia conversar com o público em tempo real. Eu realmente me divirto!

6.       Conforme sua comunidade cresceu, veio alguma dificuldade com esse crescimento? Se sim, qual/quais? 

Sim. Tenho muita dificuldade em gerir tudo praticamente sozinha, porque além da dedicação ao blog e ao canal no YouTube, eu também trabalho como arquiteta e (ainda) não tenho uma grande equipe trabalhando para mim. Minha equipe hoje é meu sócio e produtor, que cuida da parte técnica no Youtube.

7.       Há 5 anos você esperava estar fazendo o que faz hoje? E como as mídias sociais contribuíram para o Simplichique crescer? 

Não esperava de jeito nenhum! Se o Simplichique chegou hoje onde está, boa parte desse processo foi graças à facilidade que as redes sociais permitem em disseminar conteúdo. Quem quer trabalhar na internet hoje, não pode ficar de fora das redes sociais porque corre o risco de não conseguir se aproximar do seu público de maneira eficaz, afinal de contas, é nelas que as pessoas estão - e sem público, é praticamente impossível trabalhar com produção de conteúdo. 

8.       Quais são os apps que não podem faltar no seu celular? 

Não vivo mais sem o Canva, o Bitly e o Google Drive. Todos eles são essenciais para agilizar meu trabalho quando não estou no escritório.