Crise de imagem perante a imprensa e a sociedade

Você pode fugir dela ou enfrentá-la e sair fortalecido

Só de imaginar que a imagem da empresa possa ser arranhada ou mesmo destruída em frente às câmeras, jornais, rádios e internet, muita gente começa a assumir uma postura equivocada, às vezes até agressiva, perante a imprensa, o que na hora de uma crise não ajuda em nada, ao contrário, fortalece a imagem negativa que possa estar se formando. O famoso nada a declarar é outro item que abre margem para que você fique em silêncio e os outros passem a comentar. Isso não é nada bom para quem está no meio do turbilhão.

A assessoria de imprensa, que tem entre suas responsabilidades a administração de crise, começa a agir muito antes desse alvoroço todo, até porque quando a notícia já está na mídia, a crise já ultrapassou os muros da empresa e a primeira etapa da administração do problema não surtiu efeito: a prevenção.

Instalada a crise, é preciso que se forme um comitê específico com diversos profissionais: comunicadores, advogados, especialistas em recursos humanos...A idéia aqui é eleger um porta-voz que trabalhe como se fosse um advogado da empresa perante a opinião pública. É ele quem vai responder, defender, se posicionar diante da imprensa e da sociedade. Não adianta fugir, fingir que nada acontece ou tentar apenas se defender sem provas. Isso só servirá para agravar mais a crise e lançar maiores suspeitas sobre a empresa.

Quando se está em uma crise, a empresa perde o controle e fica na defensiva, mas isso não quer dizer que ela tenha que juntar um punhado de palavras bonitas e defender a empresa de forma impetuosa. Nessa ocasião, a mídia quer fatos e não opiniões. Por isso, todas as informações do porta-voz precisam ser baseadas em fatos verdadeiros e que possam ser comprovados. É imprescindível também que todos tenham consciência de que o jornalista não é amigo nem inimigo, é um profissional fazendo o seu trabalho.

Mas, ainda assim, responder e ter provas não é tudo. A empresa precisa ter as soluções, ou pelo menos apontar as alternativas para contornar a situação. Manter a imprensa informada sobre o andamento das ações que foram prometidas também é sinal de maturidade e de pontos para a empresa no quesito credibilidade.

Quem quer sair de uma crise sem grandes arranhões não pode se esconder enquanto espera a poeira abaixar. Ela pode não baixar e sufocar a empresa perante todos. Acreditar na sua assessoria, utilizar as ferramentas que ela conhece e enfrentar a crise com dados verdadeiros e alternativas reais é a melhor forma de você sair da crise. E mais: dependendo da sua postura, a empresa pode sair fortalecida desse embate. Com mais credibilidade. Afinal, ela pode ter causado o problema, mas não fugiu à responsabilidade e tratou de resolver ou amenizar seus danos.

Dicas Estúdio de Comunicação

  • Se você perceber que o assunto pode ficar mais complicado, não ignore esses sinais de alerta. Resolva todos os problemas graves antes de se tornarem crises.
  • Instalada a crise, só fale do assunto quando souber do que se trata. Não precisa dizer o famoso nada a declarar, diga apenas que irá se informar e voltará a falar sobre o assunto.
  • Volte a falar. Compromisso é compromisso.
  • Não minta em hipótese nenhuma. Os jornalistas têm fontes e podem chegar à verdade de outra forma. Não piore a situação, ela já está ruim por si só.
  • Dê explicações à imprensa e ao seu público. Os dois merecem respeito e podem acabar virando seus aliados quando bem informados e respeitados.
  • Faça de tudo para ser bem compreendido ao falar com a imprensa. Nada de termos muito técnicos ou evasivos.
  • Não brinque, subestime ou especule. O assunto exige uma postura séria.
  • Confie na sua assessoria de imprensa. Ela saberá fazer a prevenção de crises e, se mesmo assim, a crise chegar, a assessoria, juntamente, com os demais profissionais envolvidos, saberá quais as melhores estratégias a serem usadas nessa hora.